21/05/2015
Tamanho
 

A verdade sobre o aumento da conta de energia no Brasil
Por Fábio Garcia

Chico Ferreira   
 

Este ano o brasileiro viu sua conta de luz aumentar significativamente. Mesmo sem entender o motivo de tamanho aumento, o brasileiro foi obrigado mais uma vez a pagar a conta. Esse aumento – da forma que veio [de uma hora para outra]; e do tamanho que veio [em até 50%] – merece um esclarecimento verdadeiro ao cidadão, e, sobretudo, um combate incisivo por aqueles que representam o povo brasileiro.

Para explicar a verdade sobre este aumento temos que voltar em 23 de janeiro de 2013. À época, a presidente Dilma Rousseff discursou em rede nacional: “A partir de agora a conta de luz das famílias brasileiras vai ficar 18% mais barata. É a primeira vez que isso ocorre no Brasil”.

O que poucos sabiam, naquele momento, era o tamanho da conta imposta aos brasileiros para que o anúncio fosse possível. O Governo realizou uma medida provisória (MP nº. 579) que mexeu de forma estruturante no setor elétrico. Entre as alterações o governo mexeu em um fundo chamado Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Nele, a União concentrou uma série de despesas já existentes no setor e criou outras tantas, fruto da falta de planejamento e de equívocos na condução da política energética.

As mudanças promovidas pelo Governo Federal nesta conta foram tão profundas, que as despesas da CDE saltaram de R$ 3 bilhões para R$ 25 bilhões, entre 2012 e 2015, um aumento de impressionantes 760%. E para anunciar, em 2012, a redução no preço de energia no Brasil, o Governo Federal decidiu aportar, entre 2013 e 2014, mais de 20 bilhões de reais de recursos do Tesouro Nacional para pagar as despesas da conta da CDE, impedindo que os custos (antigos e novos) criados pelo governo chegassem à conta de luz do brasileiro. O problema é que esta regra só valeu por dois anos e até o ano da eleição! Foi redução para inglês ver.

Passado o pleito, o Governo decidiu que não mais interessava reduzir o preço da energia e não aportou mais nenhum real sequer para pagar a CDE, repassando ao consumidor a conta bilionária criada por ele mesmo. Foi esse o principal motivo do aumento da energia no Brasil. Uma mudança radical na decisão política do Governo Federal que nada tem a ver com a crise hídrica.

Mas o descuido da União com relação à CDE vai além. Para piorar a situação, o Governo distribuiu esta conta bilionária de forma injusta e desigual entre os contribuintes. Os brasileiros que vivem no Centro-Oeste, Sul, Sudeste e no Acre foram obrigados a pagar 4,5 vezes mais desta conta que os brasileiros que moram nas outras regiões – independentemente de sua classe social, renda, escolaridade ou outro critério qualquer. Distribuição injusta. Não igualitária. Que fez com que em fevereiro último a energia no Sudeste, Centro-Oeste, Sul e no Acre aumentasse em média 28%, enquanto que a conta nas outras regiões aumentou 5,5%.

A desigualdade é tão gritante que este modelo fez com que o cidadão de baixa renda do sul, do sudeste, do centro-oeste ou do acre esteja subsidiando energia para o cidadão de classe alta de outras regiões. O que justifica tamanha desigualdade? Nada.

Como deputado federal apresentei o projeto de lei 832/2015 que visa diminuir as despesas da CDE para o consumidor e distribuir as mesmas com igualdade. Não abrirei mão de lutar pela redução do preço da energia no Brasil e tampouco de tratar os brasileiros de forma justa e igualitária.

Fabio Garcia é deputado federal pelo PSB

 
 
 
05/03/2020 - Podcast da Rádio 40
Os Desafios do País em 2020 (20'59")
07/02/2020 - Rádio PSB 40
Lídice elenca desafios da CPMI das Fake News e pede prorrogação dos trabalhos (3'00")
     
 
     
 
       
 
Liderança do PSB na Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados - Anexo II - Bloco das Lideranças Partidárias Sala 114 Fone: (61) 3215-9650 - Fax: (61) 3215-9663
Assessoria de imprensa: (61) 3215-9656 • e-mail: imprensa.psb@camara.gov.br ® 2016 • Liderança do PSB na Câmara. Todos os direitos reservados.