29/07/2015
Tamanho
 

Maranhão poderá ser potência energética
Por Gonzaga Patriota

Sérgio Francês/Lid. PSB   
 

A questão do gás natural no Maranhão teve um início complicado e desanimador. Foi o empresário Eike Batista quem acreditou na possibilidade de extrair gás natural e investiu pesado no estado. E aqui encontrou um ambiente que todo empresário almeja encontrar: um estado que não se interessava por gás, ausente e permissivo, que deixava o empresário solto para fazer o que bem lhe aprouvesse. O resultado é que Eike usou o gás que tinha e o que ainda esperava ter em rentáveis termoelétricas que, a rigor, não alavancam a economia do Maranhão. Nem chegou a ser discutida a industrialização do estado e a ausência de arrecadação ou benefício direto. Os contratos assinados entre duas empresas de Eike envolviam a oferta firme de 8,1 milhões de m³/dia. Contudo, naquele momento não chegavam a produzir nem 5 milhões, portanto ainda teriam que descobrir mais gás para cumprir contratos assinados.

Nessa época, o Ministério de Minas e Energia chegou a lançar edital para a construção de um gasoduto cuja finalidade seria levar o gás para o porto de Barcarena no Pará, tal era o descontrole e o abandono dos interesses do estado pelo governo naquela ocasião. Esse foi um dos projetos mais loucos e contrários aos interesses do Maranhão, que quase vira símbolo dessa época. Só não fizeram de fato, porque naquela ocasião não havia gás disponível. Agora vejam que o Ministério era dirigido por um maranhense...

Pois bem, Eike teve que vender as empresas e hoje temos a Eneva, que ficou com as termoelétricas e a Parnaíba Gás Natural, que ficou com as reservas de pesquisa e exploração do gás. Essa empresa, muito bem dirigida e capitalizada, tem encontrado mais campos de gás e parte firmemente para cumprir os contratos restantes, possivelmente até julho do ano que vem. A partir daí é que poderemos ter gás para, por meio de gasoduto, trazê-lo desde a região em torno de Santo Antônio dos Lopes até a área portuária de São Luís. Isso precisa acontecer obedecendo a  três objetivos: atrair indústrias, ofertar gás domiciliar e gás veicular. O gás, por ser energia limpa e mais barata, pode ajudar a transformar o Maranhão, nos elevando a um novo patamar tecnológico, trazendo mais emprego e renda.

Agora vamos falar do Porto do Itaqui. Quase um símbolo do abandono dos interesses do estado, esse porto teve sua existência negligenciada e foi entregue quase inteiramente aos interesses da Vale. Mas o Itaqui, que até agora não alavancou o desenvolvimento do Maranhão, pode ser muito mais que apenas um porto de exportação de minérios. E hoje os planos envolvem transformá-lo no grande escoadouro dos grãos do Brasil, no mais importante na importação de combustíveis para o país, em um grande centro de importação de gás liquefeito de petróleo e futuramente num importante porto de contêineres, cumprindo, finalmente sua genuína vocação.

Esse gás liquefeito será regaseificado no porto e virá reforçar a oferta de energia barata para a industrialização do Maranhão e ainda para a produção de energia elétrica, gás domiciliar e veicular. Isso será por si só um grande projeto estruturante para o nosso estado. Essas iniciativas todas já estão em andamento, pois existe uma corrida de empresários para o Maranhão, atraídos pela confiança que Flávio Dino desperta.

Mas não para por aí. Em outubro haverá a décima terceira rodada de leilões para gás promovido pela ANP e metade das ofertas do leilão está na Bacia do Parnaíba, aqui mesmo no Maranhão. Grandes áreas serão ofertadas em região próxima daquelas em que as empresas que já estão no Maranhão tem descoberto grandes jazidas, consolidando definitivamente a nossa liderança nacional em produção de gás em terra.

Não bastasse isso, uma outra empresa, a Ouro Preto, que já venceu um desses leilões, está iniciando a exploração de novas áreas mais ao sul da Bacia do Parnaíba. O Maranhão está construindo no governo Flávio Dino o alicerce definitivo para o seu desenvolvimento sustentável. A Secretaria de Minas e Energia, mesmo ainda sem as condições ideais de funcionamento, vem colaborando de maneira firme, auxiliando o governador nessa missão redentora do estado.

 
 
 
05/03/2020 - Podcast da Rádio 40
Os Desafios do País em 2020 (20'59")
07/02/2020 - Rádio PSB 40
Lídice elenca desafios da CPMI das Fake News e pede prorrogação dos trabalhos (3'00")
     
 
     
 
       
 
Liderança do PSB na Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados - Anexo II - Bloco das Lideranças Partidárias Sala 114 Fone: (61) 3215-9650 - Fax: (61) 3215-9663
Assessoria de imprensa: (61) 3215-9656 • e-mail: imprensa.psb@camara.gov.br ® 2016 • Liderança do PSB na Câmara. Todos os direitos reservados.