13/07/2016
Tamanho
 

​Lugar de lixo é no lixo
Por Deputado Luiz Lauro Filho

Sérgio Francês   
 

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010) regulamentou várias inovações a respeito do gerenciamento, manuseio e descarte de resídúos sólidos. Ainda que com dificuldade no todo de sua implantação, trouxe definições, princípios e objetivos que visam à sustentabilidade.
 
Além da responsabilidade compartilhada entre os geradores e o poder público e da  gestão a ser feita por entes estaduais e municipais, um ponto que sempre tem recebido destaque para sua efetivação é o fim dos chamados lixões, que expõem - a céu aberto - a nossa capacidade de gerenciar (ou não) o lixo que produzimos.  Mas faz-se necessário que atentemos também a outros pontos.
 
Paralelamente, a lei 9.605/1998, Lei de Crimes Ambientais, estabelece penas que vão de multa à prisão para quem  “causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana”. Assim, desde tragédias ambientais como a ocorrida em Mariana (MG) ao ato de “jogar papel no chão” pode levar à prisão.
 
Foi o que já aconteceu, por exemplo, em Belém do Pará, onde cerca de 15 pessoas chegaram a ser presas no passado por descarte de lixo e entulho em vias públicas. Deste modo, podemos aludir que esse “simples” jogar papel no chão, seu acúmulo e consequências implicam, ainda que indiretamente, danos à saúde humana. Ou seja, passíveis de prisão. 
 
Entretanto e mais recentemente, algumas cidades passaram a adotar multas para coibir a ação daqueles que realizam descarte em vias públicas. É o caso de cidades como o Rio de Janeiro, sede das Olimpíadas, Santos, em São Paulo, e Joinvile, Santa Catarina, onde é cobrado R$ 219,00 por qualquer infração.
 
Essa alternativa ao extremo da prisão, de autoria do ex-senador Pedro Taques, está posta junto ao Projeto de Lei 3408/2015, que tramita na Câmara dos Deputados atualmente e  para o qual, pela importância do tema,  avoquei relatoria como presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.  
 
O projeto altera a Lei de Resíduos Sólidos e estabelece que fica proibido o descarte irregular de resíduos ou rejeitos em vias públicas. Fica a cargo do Distrito Federal e dos Municípios a regulamentarão e a forma correta de descarte, além do estabelecimento de  sanções pecuniárias a pessoas físicas e jurídicas.
 
Porém, nesta quinta (07), com representantes de empresas de limpeza pública, entidades municipalistas e do Ministério de Meio Ambiente debatemos o Projeto de Lei para que este possa, se necessário, ser adequado aos anseios da sociedade e à capacidade de eficiência dos entes envolvidos.
 
Talvez legislar mais especificamente sobre esse tema possa parecer absurdo para evitar o descarte de lixo na rua, o que deveria ser uma questão de disciplina e boas maneiras. Todavia, a própria lei 12.305/2010, de Resíduos Sólidos  traz em seus instrumentos a educação ambiental.
 
A aplicação de multa à pessoa física, nesse sentido, tem que ter por objetivo o caráter pedagógico e educativo para que possamos introduzir uma nova cultura em nosso país,  onde cada um faça sua parte em prol do saneamento, saúde e desenvolvimento sustentável: lugar de lixo é no lixo!

 
 
 
07/06/2017 - Rádio PSB 40
Rodrigo Martins apresenta relatório favorável a PL que veda franquia limitada de internet banda larga (3'20")
06/06/2017 - Rádio Câmara
CCJ debate projeto que tipifica o crime de corrupção de pessoas jurídicas (2'44")
     
 
     
 
       
 
Liderança do PSB na Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados - Anexo II - Bloco das Lideranças Partidárias Sala 114 Fone: (61) 3215-9650 - Fax: (61) 3215-9663
Assessoria de imprensa: (61) 3215-9656 • e-mail: imprensa.psb@camara.gov.br ® 2016 • Liderança do PSB na Câmara. Todos os direitos reservados.