06/02/2019
Tamanho
 

Prof Luiz Flavio revela novos caminhos para política honesta e cidadania vigilante

Chico Ferreira/Lid. PSB   
 

A bancada do PSB na Câmara tem um novo aliado no combate à corrupção e defesa da cidadania. O deputado federal Luiz Flávio Gomes, eleito com mais de 86 mil votos pelo PSB de São Paulo, começou a 56ª Legislatura engajado na causa e seu histórico profissional comprova a capacidade de inspirar confiança, tanto nos colegas de legenda, como em seus eleitores. Em entrevista à Liderança do PSB, o socialista explicou detalhes da sua candidatura, os temas que vai defender na Casa e revelou novos caminhos para uma política honesta e uma cidadania mais vigilante. Para ele, a educação é a base da ética. "O governo que não luta para isso é atrasado, é conivente com a velha ordem colonial, que aposta na ignorância do povo", afirmou. Confira mais detalhes da entrevista.
 
O que o senhor considera mais importante durante o processo de candidatura para deputado federal?
 
O mais importante em uma candidatura a qualquer cargo eletivo é inspirar confiança. Ter propostas claras. Ideias precisas são importantes para que o eleitor saiba bem em quem está votando. Ter um histórico de vida também conta muito. O eleitor acha que programas eleitorais são quase todos iguais. Então levam em conta muito o "dramatis personae", a história de vida. Tudo isso é relevante para uma candidatura. Porque tudo isso gera confiança. A relação entre o eleitor e o representante tem que ser de confiança. Se esta desaparece, tudo se perde.
 
Quais os principais temas a serem defendidos pelo senhor na 56ª Legislatura?

Na 56ª Legislatura, como deputado federal pelo PSB - São Paulo, defenderei o combate à corrupção, a destruição da velha ordem colonial (familista, patriarcalista, patrimonialista) e o prosseguimento da grande revolução desarmada já anunciada por Sérgio Buarque de Holanda, em 1936. Essa grande revolução passa por sete passos: Eis as 7 bandeiras da nossa revolução “vertical” (como dizia SBH): (1) redes, (2) ruas, (3) urnas, (4) apoio popular para o império da lei contra todos, (5) escola decente obrigatória até os 18 anos, (6) ética e (7) moral. Essa é a receita. Vamos por aí.
 
Explique de uma forma resumida sua visão sobre a corrupção no Brasil e o que fazer para combater esse mal?
 
A corrupção tem que ser combatida, desde logo, pela dura reprovação nas redes sociais. Enquanto não dedetizarmos o cupim (da velha ordem colonial) nós não vamos nunca consertar o Brasil (nem sequer melhorá-lo). Contra cada cupim novo que aparece (nepotismo, corrupção, apropriação de dinheiro dos funcionários etc.), nosso ataque tem que ser duro. Cidadania vigilante. Reprovação contundente contra todos os desmandos dos pactos oligárquicos para roubar o país. Em segundo lugar: apoio popular para as operações legais da justiça promoverem o império da lei contra todos (prestem atenção: “contra todos”, sejam eles de esquerda, centro, direita ou extrema-direita). Em terceiro lugar: quando nosso nível de intolerância contra a safadagem aumentar muito, temos que ir para as ruas. Em quarto lugar: tudo isso sem prejuízo, claro, de pegarmos todos os malandros nas urnas (em 2018 já foi feito um bom trabalho, mas temos que ir mais fundo). Em quinto lugar: escolarização decente para toda população até os 18 anos, em período integral. O governo que não luta para isso é atrasado, é conivente com a velha ordem colonial que aposta na ignorância do povo. Na escola temos que ensinar para todo mundo ética (ética humanista) e moral (moral cooperativa).
 
Qual mensagem o senhor gostaria de enviar a todos os seus eleitores e brasileiros que esperam uma nova Câmara?
 
O passado no Brasil nunca é passado porque não passa. Continuamos vivendo a velha ordem colonialista e o poder é exercido da forma patrimonialista. Nosso futuro só vai melhorar quando eliminarmos nosso passado cultural que continua afetando o presente. Reitero minha postura ética e comprometida em mudar o país. Não importa a ideologia nem o partido, a lei tem que valer contra todos (“erga omnes”). Vamos juntos lutar pela aprovação das Novas Medidas contra a corrupção. Sou contra os privilégios aristocráticos (foro privilegiado, por exemplo), as injustiças medonhas do país, as desigualdades aberrantes, a violência institucionalizada, o capitalismo de compadrio, o clientelismo, o fisiologismo do presidencialismo de coalização, a Justiça lenta e seletiva e por aí vai. Luta dura contra a corrupção. Quero um Brasil ético.

Rhafael Padilha
 
     
 
     
 
       
 
Liderança do PSB na Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados - Anexo II - Bloco das Lideranças Partidárias Sala 114 Fone: (61) 3215-9650 - Fax: (61) 3215-9663
Assessoria de imprensa: (61) 3215-9656 • e-mail: imprensa.psb@camara.gov.br ® 2016 • Liderança do PSB na Câmara. Todos os direitos reservados.